Instagram Facebook

Por que gostamos tanto da culinária de Minas?



Feijão tropeiro, costelinha de porco, torresmo, frango com quiabo, broa de milho, bolo de fubá, doces de frutas, pão de queijo… Essas delícias também poderiam responder nossa pergunta, mas a culinária mineira encanta não somente por seus pratos em si, mas por toda sua história e os elementos que a compõe.

Feijão Tropeiro

Separamos algumas características que vão nos ajudar a entender o porquê dessa culinária ser tão querida em todo o Brasil!

Simplicidade à mesa

A maioria dos ingredientes da tradicional cozinha mineira vem do quintal das casas, como o quiabo, o ora-pro-nóbis, a couve, os temperos frescos, o porco e a galinha. Por isso, longe dos sabores sofisticados de outras cozinhas, a panela de ferro mineira marca presença com cores, aromas, texturas e combinações fortes, mas muito simples.  Ou seja: comida sem mistério, descomplicada e muito saborosa!

Fartura e variedade

Nada pior do que estar com fome e receber um prato com pouca comida, né, não? Ainda mais se estiver gostosa… Uma situação dessas é inimaginável na mesa de um bom mineiro. Até porquê, sempre pode chegar uma visita, engatar uma prosa, e acabar ficando para o jantar! Além disso, a fartura vem sempre acompanhada da variedade. A escassez de alimentos no período da mineração (séc. 18) ensinou o mineiro a aproveitar tudo, sem desperdício. Por isso, em uma mesma mesa é possível ver diversos pratos vindos do porco (linguiça, torresmo, costelinhas, lombo etc.) e do milho (curau, pamonha, cuscuz, broa, bolos etc.), por exemplo. Sem falar na infinidade de compostas de frutas e doces. É melhor deixar a dieta de lado!

Calma no preparo

Se na época da construção da identidade da cozinha mineira já se falasse em vertentes da Gastronomia, com certeza ela se enquadraria na Slow Food (comida lenta). A calma e a tranquilidade na cozinha são as responsáveis pelas carnes suculentas e pelo ponto perfeito dos doces. Era ao redor do fogão à lenha que as mulheres da família se reuniam durante horas picando, cozinhando, fritando e preparando quitutes e quitandas. Mesmo com toda a tecnologia de hoje, é indiscutível: a comida feita em fogão supera em muito nossos fogõezinhos elétricos. Bem longe dos produtos industrializados e de acessórios que aceleram a cocção, a culinária de Minas é marcada por um cozinhar sem pressa, onde o cozinheiro entrega seu tempo e sua dedicação não somente para “reabastecer” estômagos, mas alimentar corações.

Tradição no prato

Quando pensamos no “jeitim mineiro” de cozinhar, logo vem à mente uma cozinha grande, com uma bancada enorme, cheia de panelas e ingredientes para todos os lados. Lembramos do aroma do bolo recém saído do forno, da mesa cheia de gente e de reuniões de família e amigos. A comida mineira traz conforto! Isso porque, a maioria dos pratos está cercada de tradições. Receitas que foram passadas de mães para filhas, em caderninhos especiais, como uma herança valiosa! Aliás, podemos até citar os queijos mineiros, considerados patrimônios imateriais brasileiros pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, como um dos tesouros tradicionais das terras mineiras.

E você, por que gosta da culinária de Minas Gerais? Se essa conversa deu fome, não deixe de conhecer nossos planos de assinatura de produtos mineiros!