Instagram Facebook

Minas Gerais, campeão em migração no país



“Coração perde o juízo, fica sofrendo demais quando bate a saudade de Minas Gerais”. Na letra da música de Cezar Menotti e Fabiano, dupla sertaneja de Minas consagrada em território nacional, a saudade da terra natal é declarada. E não foram só eles que tiveram que aprender a lidar com a distância ao abandonar o estado para trilhar uma trajetória profissional mais promissora.

Estradas de Minas

Segundo a última pesquisa feita pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) sobre migração no Brasil, o Estado fica no topo do ranking com mais de 3,5 milhões de pessoas que optam por sair da região para morar em outras localidades. Dentre os fatores que motivam este processo estão a falta de oportunidades de carreira, salários menores do que em outros Estados e a ausência de incentivo para o crescimento.

Rumo à selva de pedra

Um dos lugares mais procurados para se trabalhar é sem dúvida São Paulo. Além de ser uma cidade que funciona praticamente 24h por dia, existem oportunidades para todas as carreiras e a remuneração é, em muitos casos, três ou quatro vezes maior do que em Belo Horizonte, por exemplo. O Rio de Janeiro e o Espírito Santo também não ficam atrás, e muitas vezes são escolhidos porque também oferecem uma das opções de lazer que os mineiros mais adoram: a praia.

Embora todo mundo saiba que a vida no eixo Rio-São Paulo seja aparentemente mais promissora, é preciso lembrar que, assim como os salários sobem, o custo de vida também aumenta proporcionalmente. Além disso, o clima interiorano presente até mesmo na capital mineira é de deixar saudades.

O trabalho dos sonhos

Na maior parte das vezes em que uma pessoa migra para outro estado ou até mesmo para outro país, ela está em busca não apenas de um trabalho bem remunerado, mas sim de consolidar no mercado ou até mesmo a carreira dos sonhos. Mesmo que não seja um percurso fácil, por exigir disposição para encarar os desafios, a alta competitividade e até mesmo o trânsito, o saldo ainda é positivo para muitos desbravadores. Por isso o número de migrantes não para de crescer! E não são apenas os recém-formados em início de carreira que resolvem dar “adeus” às suas cidades. Até os mais velhos têm se arriscado a desbravar novos horizontes em busca de oportunidades.

O que fica é a saudade

Saudade da comida caseira, dos aromas das compotas, do sotaque mineiro, do colo da mãe. É preciso muita coragem e vontade de desbravar para encarar uma mudança de cenário tão radical. Quem já sofreu as dores da partida comenta que o difícil não é o trânsito agitado ou as jornadas intensas e desafiadoras de trabalho. Difícil mesmo é a saudade! Mas apesar de tudo garantem que como experiência de vida vale o sacrifício!

Se bater aquela vontade de degustar uma comidinha mineira para matar a saudade, associe-se ao nosso Clube e saboreie sem moderação!